História Victor Hugo

bolsa-Victor-Hugo

grife Victor Hugo tem esse nome por causa do seu criador que se chama Victor Hugo mesmo e tem comooutros sobrenomes Alves Gonzalez. Aos 50 anos, o ex-hippie uruguaio só tem motivos para comemorar a decisão tomada na década de 70, quando deixou a fazenda dos pais para “buscar novos horizontes”. No melhor estilo da época, desembarcou no Brasil com muitos planos e nenhum dinheiro. Foi vender jóias de prata (que fazia em casa) na Praça General Osório, no Rio de Janeiro, onde montava sua barraquinha todo final de semana, e na Praça da República, em São Paulo, onde aparecia eventualmente. Nos outros dias, carregava seus produtos nas costas e visitava cabeleireiros, galerias de arte e todos os lugares onde pudessem existir boas clientes.

 

Bonitão e bom de papo, foi conhecendo as pessoas certas e ganhando freguesia. Hoje, tem duas fábricas no Rio de Janeiro, vinte lojas próprias e 24 licenciadas e 2 100 funcionários. Declara um faturamento anual de 50 milhões de dólares. “Quando cheguei ao Rio, artesanato era moda e eu fazia jóias caras. Meus clientes sempre foram artistas e grã-finos”, lembra. “Eu vivia como os clientes, gastava muitíssimo e nunca sobrava dinheiro.”

O estilo incluía um lado globe-trotter, com viagens freqüentes a Ibiza, Saint-Tropez, Paris e Londres, onde ele garante que conseguia se sustentar vendendo jóias. Nessas andanças, aprendeu várias línguas – fala fluentemente italiano, francês e inglês, além do espanhol original e do português –, conheceu muita gente e ampliou o leque de clientes. Conta que foi quando se preparava para uma dessas viagens que notou que, no Brasil, não havia malas ou bolsas de boa qualidade. Pronto: a barraquinha mudou de ramo.

A primeira bolsa Victor Hugo era uma espécie de baú com duas alcinhas. Seguindo o mesmo conceito das jóias, passou a fazer bolsas exclusivas, artesanais e, lógico, caras – uma bolsinha de couro custava o equivalente a 300 dólares. Depois de vender de porta em porta, Victor Hugo passou a produzir pequenas coleções para lojas conhecidas, como Elle et Lui, Krishna e Via Veneto.

Com a Victor Hugo mais ou menos firmada, Victor Hugo aposentou a barraquinha, montou uma fabriqueta e abriu a primeira loja em Ipanema, em 1975. Daí para frente cresceu sem parar, sempre fincado no nicho dos produtos de luxo – o preço médio de uma bolsa Victor Hugo é 500 reais, podendo chegar a 1 200 cobrados por um modelo de couro de avestruz.

Enquanto os portos nacionais estavam fechados à importação, reinou sozinho, com bolsas notavelmente semelhantes às das grandes grifes internacionais – característica que ele mesmo reconhece. “Como eu era a única referência, não tinha nenhum problema minhas bolsas serem parecidas”, diz. Mas ressalva: “Agora que estão chegando todas, tenho de fazer mais produtos personalizados”. Nas prateleiras, porém, o que se vê ainda é muita inspiração, digamos, externa. Por que, então, alguém se dispõe a pagar caríssimo pelo VH (logo que lembra muito o LV, de Louis Vuitton)? Fidelidade, diz ele, e carteira recheada: “Quem pode comprar Victor Hugo não pensa em economiza”.

Atualmente a Victor Hugo possui franquias em outros países como: Nova York, Estados Unidos e Lisboa, Portugal.

A grife Victor Hugo vende junto com suas bolsas o “alto luxo”. Estas são as palavras que definem essa Victor Hugo de bolsas e acessórios que gera tanto desejo de consumo nas mulheres.

A qualidade inquestionável junto com a comunicação da Victor Hugo fazem com que ela se torne objeto de desejo para muitas mulheres e que as mulheres que têm um poder aquisitivo mais elevado não a troque por nenhuma outra Victor Hugo. A comunicação da Victor Hugo, que é veiculada principalmete em revistas de moda – justamente para selecionar o público que vai ter acesso ao material da campanha, já que o público alvo da Victor Hugo é de alto nível financeiro e gosta de exclusividade – e outdoors, explora o desejo da mulher de se sentir luxuosa e acima das outras mulheres. Por isso em suas peças publicitárias geralmente não é dado muito enfoque no cenário – e sim no próprio produto –, modelos, geralmente, femininos aparecem vestidas com elegância e refinamento e segurando, ou usando, os produtos da Victor Hugo.

Outra característica da comunicação da Victor Hugo é, assim como as bolsas, o resgate do glamour e do luxo de grifes de outros países – como a Louis Vuitton e a Gucci – e a superioridade da mulher perante o homem, o poder e a sedução conferidos pelas bolsas às suas donas que fazem com que os homens fiquem aos seus pés, em uma atmosfera de muito glamour e desejo.

O conceito da superioridade feminina pode ser observado em um desfile para a apresentação da coleção de inverno das bolsas em abril de 2008. Nele modelos masculinos sem camisa, somente com uma calça jeans, desfilavam utilizando as bolsas da nova coleção e apenas um modelo feminino utilizando uma bolsa da Victor Hugo despertava desejo em todos aqueles lindos homens.

Em 2009 o conceito da Victor Hugo evoluiu, passando de algo refinado e dedicado à mulheres mais velhas para algo arrojado e dedicado também para mulheres mais jovens, porém sem perder o luxo e a elegância.

O alto luxo é uma junção desses outros conceitos também presentes na Victor Hugo: a superioridade, o glamour e a elegância da Victor Hugo fazem com que ela seja considerada uma Victor Hugo de luxo e venda isso para as suas clientes como algo que está acima de tudo e de todos, um valor pessoal que se transfere da bolsa para a mulher.

Add your comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>